sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Pesquisa aponta diferenças entre o relevo cárstico do Planalto de Guapiara e a Serra de Paranapiacaba, no Vale do Ribeira

Sobrevoo na Serra de Paranapiacaba Foto: William Sallun Filho

Pesquisa científica orientada pelo pesquisador Dr. William Sallun Filho recentemente publicada na revista de Geociências da UNESP revela diferenças em compartimento geológico no Vale do Ribeira.

A área de estudo está localizada na região das cabeceiras dos rios das Almas e São José de Guapiara (Bacia hidrográfica do Rio Paranapanema – Planalto de Guapiara) e do Rio Pilões (Bacia hidrográfica do Rio Ribeira de Iguape – Serra de Paranapiacaba). As rochas que ocorrem nessa área são carbonáticas (Calcários e Dolomitos) datadas entre 1 bilhão e 500 milhões de anos.

Informações levantadas em trabalhos de campo permitiram observar que, apesar de contínuas entre o Planalto de Guapiara e a Serra de Paranapiacaba, as rochas carbonáticas apresentam feições cársticas com características distintas entre estes dois compartimentos, sugerindo que a geomorfologia pode ter contribuído para esta diferenciação entre os setores abordados.

O Planalto de Guapiara apresenta relevo mais suavizado, onde a água escorre mais devagar, com regime hídrico predominantemente fluvial (rios), exibindo um sistema cárstico com feições menos desenvolvidas e mais dispersas em relação à região da serra.

Na Serra de Paranapiacaba, compartimento que predomina a topografia mais acidentada, onde a água escorre mais rápida e regime fluviocárstico (rios e rios subterrâneos), permitiram o desenvolvimento de um sistema cárstico mais expressivo com presença de rede de condutos e feições associadas com maior densidade de ocorrência em relação à região do Planalto de Guapiara.

Localizado na região do Parque Estadual Intervales, no sul do Estado de São Paulo. As pesquisas fazem parte do mestrado de Bruno Daniel Lenhare e contaram com a participação de alunos de graduação e pesquisadores do Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo, financiamento da FAPESP por meio do Auxílio à Pesquisa, colaboração da administração e funcionários do Parque Estadual Intervales (FF/SMA), Grupo Pierre Martin de Espeleologia (GPME) e técnicos do Instituto Geológico.

LENHARE, B. D.; SALLUN FILHO, W. O carste nas cabeceiras dos rios das Almas, São José de Guapiara (Bacia do Paranapanema) e do Rio Pilões (Bacia do Rio Ribeira de Iguape), SP. Geociências (São Paulo. Online), v. 33, p. 686-700, 2014.

Para acessar o artigo completo CLIQUE AQUI